TCE fornece um parecer preliminar sobre desacordo com relatórios de Robinson Faria

0


Foto: Divulgação

Durante a sessão extraordinária do Plenário, a Auditoria Pública (TCE / RN) emitiu parecer preliminar sobre desacordo com os relatórios anuais do governador Robinson Faria referentes a 2017. O caso foi referido pelo advogado Tarsisio Costa, que foi unanimemente observado pelo voto outros membros do Tribunal.

No caso dos relatórios anuais do governo, o parecer preliminar da ECA é uma opinião e segue como uma parte técnica para discutir a Assembléia Legislativa, que é responsável por resumir ou aprovar as contas do governador.

Com base no relatório da Comissão Especial de Análise de Contas, bem como a opinião do Ministério Público, o conselheiro-relator também foi recomendado para enviá-lo ao Ministério Público para possíveis medidas dentro do Poder Judiciário. Em seu voto, ele observou que o governo novamente cometeu violações, inconsistências e violações que já foram encontradas nas demonstrações financeiras para o ano fiscal de 2016. O orador observou que o ECA havia fornecido ao ex-governador os ensinamentos do inimigo e proteção suficiente, dando-lhe uma extensão do termo inicial. No entanto, ele considerou que as razões citadas em toda a sua defesa (preliminar e adicional) não poderiam, de forma alguma, iludir o conteúdo do Relatório Anual.

O parecer anterior emitido pela Câmara de Contas é elaborado com base em uma avaliação geral e razoável do exercício e da execução orçamentária, consistindo em aceitar ou rejeitar contas, no todo ou em parte, indicando neste último caso as contribuições ou itens considerados, conforme previsto no Artigo 59. , § 4º, Lei Estadual Suplementar nº 464/2012. Veja notas principais sobre 2017:

FRUITANDO A RECEITA

Parecer indica que a decepção com a renda no valor de 1.746.738.122,54 rublos. Isso fez com que a taxa de execução orçamentária fosse menor que 1, ou seja, a receita arrecadada era menor que as despesas incorridas. Uma taxa foi recebida no valor de US $ 10.576.381.877,46 contra despesas obrigatórias no valor de RUB 11.330.957.553,33, o que levou a um déficit de RUB 754.575.675,87.

CRÉDITO ADICIONAL

Segundo o relatório, o executivo estadual abriu um empréstimo adicional adicional para excedente financeiro sem a disponibilidade de recursos no valor de 659.139.388,99 rublos, o que é uma violação do artigo 167, V da Constituição Federal e artigo.

Ele continua a ser pago

Em 2016, 3 568 777,37 rublos foram cancelados. “Isso significa que as despesas incorridas e liquidadas, que foram consideradas em“ Saldos para pagamento ”devido ao fato de não terem sido pagas no cumprimento da obrigação, em relação aos bens recebidos e / ou serviços prestados, cancelaram seus“ Saldos para pagamento ” em 2017, ”

DEFICIÊNCIA PROFILÁTICA

A ECA também revela uma deterioração da situação de bem-estar social, já que o executivo estadual permaneceu inerte frente a essa situação. os desequilíbrios atuariais e financeiros do próprio sistema de previdência social (RPPS), o que é contrário ao disposto no artigo 69 da Lei Complementar Nacional nº 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal) e nos artigos 18 e 20 da Instrução Administrativa 403/2008 – MTPS.

Nesse ponto, houve um resultado negativo de US $ 1.980.494.895,05, o que corresponde a um aumento do déficit financeiro do Regime de 34,70%. previdência social estadual / RN, comparada com o exercício de 2016, na qual foi calculado o déficit no valor de RUB 1.470.214.480,36.

DESPESAS COM PESSOAL

Em 2017, os custos com pessoal executivo atingiram 62,35% da receita corrente líquida do Rio Grande do Norte, superando o limite máximo em 13,35%. De acordo com o relatório, o governo também não cumpriu a obrigação de ajudar a eliminar custos excessivos de pessoal e é uma ofensa administrativa em relação às leis de finanças públicas.

"Tendo em vista o descumprimento do limite legal de gastos com pessoal do Poder Executivo, o total de custos com pessoal no Estado do Rio Grande do Norte atingiu 71,58% do seu Lucro Líquido Circulante, extrapolando em 11,58% o limite máximo estabelecido no inciso II do artigo. 19 da Lei Complementar Nacional nº 101

outro ponto que chamou atenção, dado que, na opinião desta opinião, é o alto grau de ineficiência do executivo estadual na arrecadação de receitas de sua dívida ativa.

total 0,32% do seu montante de US $ 7.471.230.941,08.

"Em 2017, houve casos de prescrição e remissão de valores registrados em dívidas. Ativa no valor de 106 983 043,00 esfregar. Com a circunstância agravante que no ano fiscal de 2016 esta perda já atingiu o montante de 107.742.876,24 rublos, que em dois anos ascenderam a 214.725 rublos. Finalmente, a opinião mostra um resultado negativo obtido pela maioria das Formações da Administração Indireta do Rio Grande do Norte no valor de R, o que exigiu que o governo tivesse uma enorme quantidade de recursos financeiros alocados para cobrir o déficit

.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.