Governo avalia permissão para congelar salário mínimo

0


O Ministério da Economia está estudando o mecanismo de autorização do congelamento do salário mínimo no contexto de políticas orçamentárias mais rígidas. A idéia é excluir da Constituição a obrigação de ajustar o valor para refletir a inflação.

Esta medida será incluída no PEC (Emenda Constitucional), que altera as regras tributárias e está pendente no Congresso.

Escrito por Pedro Paulo (DEM-RJ), apresentado pela Comissão na Casa da Constituição e Justiça (CCJ) e discutido por um grupo de parlamentares, representantes do Departamento de Técnicos em Economia e Orçamento no Congresso.

A proposta traz gatilhos que serão acionados em situações de risco de violação tributária. A versão original da história não prevê o congelamento do salário mínimo mas o governo articula claramente a inclusão desse novo gatilho no texto. A informação foi publicada no jornal O Estado de S. Paulo e confirmada por Folla .

A regra que permitia o reajuste do salário mínimo acima da taxa de inflação deixou de ser aplicada este ano. Agora, uma nova mudança iria além, permitindo congelar pelo menos sem restaurar a inflação.

Pedro Paulo confirma que a previsão é uma proposta do Ministério da Economia. Para um deputado, no entanto, antes de qualquer iniciativa desse tipo, o governo deve procurar defender esta proposta. "Embora o governo claramente não apóie os PECs, ele não deve discutir a discussão de outras medidas", disse ele. [19659006] A Constituição afirma que o salário mínimo deve ter reajustes periódicos que preservem seu poder de compra.

Dada a medida estudada pelo governo, essa previsão deixará de existir. Será permitido um congelamento do salário mínimo para ajudar no ajuste fiscal do período. Uma hipótese é que o custo será bloqueado por dois anos.

Como o governo possui despesas relacionadas a salários mínimos, como pensões, esta medida trará cortes no orçamento de . Hoje, para cada reajuste real do salário mínimo no país, a União aumenta suas despesas em 300 milhões de rublos.

No próximo ano, o governo prevê que um mínimo de 998 rublos será necessário para reajuste. Até 1 039 esfregar. Esse aumento leva em consideração apenas a inflação.

Se, por exemplo, o governo congelar o valor atual, a economia na carteira estadual no próximo ano será de 12,3 bilhões de dólares.

A proposta ficará online com a proteção do ministro Paulo Guedes (economia) para remover as linhas anexadas ao orçamento. O ministro afirma que as contas do governo têm despesas obrigatórias, relacionadas e indexadas excessivas.


300 milhões de dólares – este é o efeito nas contas do governo de cada 1 dólar de ajuste na redistribuição mínima de salários

$ 1039 – este é o valor previsto para o menor valor em 2020

$ 12,3 bilhões seriam a economia em 2020 se o mínimo fosse congelado nos valores atuais

FOLHAPRESS

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.