Eduardo Cunha alega ter aneurisma cerebral e pede prisão domiciliar no Rio

0

Foto: José Cruz / Agência Brasil

O ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, solicitou ao Tribunal do Rio de Janeiro a execução da ordem de restrição imposta por Lava Jato. A defesa afirma que o ex-deputado tem uma imagem de aneurisma cerebral.

Cunha está atualmente preso na prisão de Bangu 8, depois de ser levado ao Complexo Médico Penal de Pinhais, no Paraná, em maio, onde foi preso por crimes. corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de moeda.

O secretário da administração penitenciária do Rio de Janeiro (Seap-RJ) confirmou que havia sido solicitado a elaborar um relatório de saúde. de Cunha para responder às alegações da defesa e do Ministério Público do Rio de Janeiro O julgamento da execução criminal de Cunha é um mistério, e a defesa se recusou a comentar.

Cunha está presa desde maio na Prisão Pedrolino Werling de Oliveira, conhecida como Bangu 8, no Rio. A defesa recebeu a transferência do Tribunal do Estado do Paraná a pedido do advogado Rafael Guedes, que alegou que o ex-presidente da Câmara tinha aquele Direito de estar mais perto da família.

Cunha é detido pelo Tribunal Estadual há 14 anos e seis meses desde sua prisão em 19 de outubro de 2016, quando estava sob custódia sob o 4º Distrito de Lava Jato (TRF-4), Tribunal Lava Jato, por suposto suborno em US $ 1,5 milhão relacionado à compra de um campo de petróleo no Benin, na África, pela Petrobras em 2011.

O ex-prefeito foi condenado pelo Tribunal Federal do Brasil a 24 anos e 10 meses de prisão por apropriação indevida de fundos de investimento do FGTS ,

Apesar do novo entendimento da execução da sentença após o segundo julgamento, Cunha não foi libertado, pois lhe pediram para condenar a acusação em liberdade. Em agosto, o Tribunal Federal de Justiça confirmou um dos 14º Tribunal Federal do Rio Grande do Norte mandados de prisão impostos a Cunha.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.