Candidatos federais receberam mais fundos nas eleições de 2018

0


As candidatas femininas para as eleições do ano passado tiveram um aumento no valor médio obtido para a campanha. No entanto, a maioria dos partidos políticos não cumpriu as novas regras estabelecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Isto é evidenciado pelo estudo "Democracia e representação nas eleições de 2018: campanhas eleitorais, financiamento e diversidade de gênero", publicado nesta quarta-feira (3) em São Paulo.

Em 2018, o TSE determinou que os partidos políticos fossem reservados para menos de 30% do Fundo Especial de Financiamento de Campanhas (FEFC), o chamado Fundo de Eleição, para financiar candidatas mulheres. O fundo forneceu mais de 1,7 bilhões de rublos. Desde que pelo menos 30% sejam destinados exclusivamente a mulheres candidatas.

No entanto, o estudo, coordenado por Katharina Helena Cortada Barbieri e Lucian Oliveira Ramos, da Fundação. Getúlio Vargas, da FGV Direito, mostra que 45,7% das partes não deixaram claro se deveriam alocar recursos para lances proporcionais ou majoritários.

“Esta ambiguidade permitiu que muitas partes considerassem nesta conta recursos destinados a mulheres candidatas como suplentes. ou alternativas, que são posições de controle. Se levarmos em conta apenas candidatos proporcionais, cerca de 62% das partes não teriam cumprido a cota da FEFC, e 58% não teriam conseguido executar um fundo partidário para candidatas mulheres ”, disse Katharina Barbieri

. as partes não destinaram 30% dos fundos públicos para campanhas de mulheres proporcionais, as mulheres tiveram acesso a mais recursos para financiar campanhas em 2018 do que em 2014.

O rendimento médio das mulheres saltou de 133 000 para R. Entre as duas eleições, 151 mil dólares, o que significa um aumento de 13,6%, enquanto a proporção de homens diminuiu em mais de 50%, resultando em uma média em 2014 foi de 479 mil rublos, e em 2018 – 242 mil rublos. no caso dos homens, isso se devia à proibição de doações corporativas e também ao fato de que alguns recursos do governo deveriam ser direcionados às mulheres. A diferença entre a média dos homens e a média das mulheres diminuiu acentuadamente entre as duas eleições. Em 2014, o número médio de mulheres foi de cerca de 27,8% dos homens. Em 2018, esse número foi de 62,4%.

Agência Brasil

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.