Cachaça Samanaú, de Caicó, ganham o prêmio internacional

0


Por Pequenas Empresas e Grandes Negócios

A Cachaçaria Artesanal de Samaná, Rio Grande do Norte, conquistou uma importante importância mercado internacional como a melhor cachaça envelhecida do mundo. A marca conquistou, em Chicago, nos Estados Unidos, uma degustação de bebidas alcoólicas de todo o mundo . Instituto de Ensaio de Bebidas (BTI), uma empresa independente de pesquisa de bebidas alcoólicas de terceiros, que conduziu testes de sabor às cegas. A cachaçaria orgânica potiguar foi a melhor nota entre as cachaças analisadas. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (19)

As cachaças tradicionais são de prémio internacional em Chicago nos Estados Unidos

A instituição faz degustação profissional há 38 anos. Mensalmente, uma equipe de degustadores faz a avaliação de vários tipos de bebidas e divulga o resultado de cada dia primeiro de cada mês. Em julho, as bebidas são analisadas por cachaças e corridas de todo o mundo. O rótulo potiguar ficou com o melhor destaque entre as cachaças envelhecidas, atingindo 92 pontos.

A Pitú Vitoriosa também foi avaliada e também conquistou medalha de ouro, entretanto, conseguiu um ponto a menos na mesma análise. Das 36 bebidas ranqueadas no mês, 34 eram variações de rum. Apenas como duas marcas brasileiras entraram na categoria como cachaça envelhecida.

Sobre um Samana de um grupo de jurados de Degustações classificadas como 'excepcional' uma cachaça potiguar, que tem certificado orgânico.

“Cor de âmbar dourado. Comestíveis, aromas doces e notas de confeitaria de canela, cardamomo, caramelo, creme de leite [preparado à base de mel de milho] e doce de leite, com corpo acetinado, vibrante, fluído, de fruta semi-seca, elegante, com notas semi-longas que remetem à baunilha cremosa, lavanda, creme de coco, com um toque final de castanha de caju. Uma cachaça encorpada com uma cápsula de sabor apimentado; http://en.wikipedia.org/wiki/19659004 De acordo com o proprietário da Cachaça Samanaú, Dadá Costa, esse não é o primeiro prêmio que uma marca conquista no mercado internacional. Tanto uma cachaça envelhecida como uma bebida já ganha outras premiações em Chicago (EUA), Washington (EUA) e Bruxelas (Bélgica).

“Essa medalha é o reconhecimento e a valorização do trabalho que vem crescendo com a Samana para entregar Uma garrafa de cachaça artesanal orgânica de qualidade. Coroa também a nossa fase de internacionalização ”, diz o empresário.

Atendida pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, através do projeto Setor Orgânico do RN, uma cachaça chega a um lugar com cerca de 80 mil litros de bebida por ano. de Caicó (distante 282 milhas de Natal). Nos últimos anos, um grupo tem adotado uma estrategia de entrar fortemente no mercado internacional.

Entre 2018 e o anoito deste ano, uma empresa exportou mais de 8 mil litros da bebida para a Nigéria, assim como já teve feito remessas anteriores a Itália. A cachaça também está presente na Câmara de Comércio de Portugal e busca novas operações com uma exportação de caipifrutas "pronta para beber" para as Filipinas. Serão despachados 15 mil litros de bebidas.

Uma empresa começou a funcionar em maio de 2004, quando foi instalada no Sítio Samaná um alambique artesanal na região Seridó. Desde 2012, o certificado foi lançado pela IBD Certificadora e integra as 12 cachaças do Brasil certificadas com o selo de origem para entrar no mercado internacional, sendo uma das primeiras do RN a receber esse certificado

Blog Carlos Santos pelo Twitte r AQUI Instagram AQUI AQUI e Youtube AQUI .

<! –

->
                

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.