Bolsonaro diz esperar que o Congresso brasileiro seja um dos primeiros a aprovar o acordo UE-MERCOSUL

0


O presidente Zhair Bolsonaro disse no domingo (30) que espera que o Congresso brasileiro seja um dos primeiros a aprovar o acordo entre o Mercosul e a União Européia, anunciado na reunião do G20 no Japão.

Chegando ao Palácio da Alvorada depois de uma viagem à cúpula, o administrador disse que a missão estava concluída e que os termos do acordo deveriam começar em dois ou três anos.

“Missão cumprida, todos os objetivos alcançados. O Mercosul [acordo entre União Europeia e] se tornou realidade e as informações que tenho são as melhores. Tem efeito 2 ou 3 anos depois, mas depende dos parlamentos. Vamos ver, talvez a nossa aqui seja provavelmente uma das primeiras a aprovar.

Declarações foram feitas pelo presidente após a chegada ao Palácio Alvorad após uma viagem à Ásia. O acordo comercial, que foi anunciado após 20 anos de negociações, estará sujeito à verificação técnica e legal das condições fechadas. Somente neste momento será definida a data da assinatura efetiva do contrato.

Os presidentes dos países do MERCOSUL enviam o acordo ao Congresso. Na UE, o acordo deve ser aprovado no Parlamento Europeu.

Segundo o presidente, é necessário promover o comércio para a exportação de carne brasileira para países asiáticos. Ele disse que durante uma viagem ao Japão ele convidou autoridades brasileiras para o Brasil e disse que ofereceria carne brasileira aos convidados.

“Quando eles vão para o Chile, eu pedi para eles entrarem e eles disseram que iriam passar. Pedi que trouxessem o almoço que quero oferecer um churrasco com carne brasileira. Porque o churrasco que eu comi lá com carne australiana não é engraçado. Este é um churrasco comum ”, ele disse brincando.

Bolsonaro foi questionado sobre um soldado militar ligado à cocaína na Espanha, que apoiou a viagem presidencial. Segundo o agente, o episódio pode ocorrer "em qualquer instituição".

“Ele está sendo investigado. Abandonou a vida, jogou o nome do lugar na lama, ofendeu um pouco o Brasil. Mas isso acontece em qualquer parte do mundo, em qualquer instituição. Peço desculpas por toda a corrida. Infelizmente, isso não aconteceu na Indonésia ”, disse ele, referindo-se ao país com a pena de morte por tráfico de drogas.

O presidente também anunciou que quer começar a implementar um plano para transformar a Baía de Angra em Cancún brasileira. mas enfrenta dificuldades legais. O território é protegido pela legislação ambiental. “Eu gostaria de começar nosso plano para transformar Angra Bay em Cancun. Mas, para revogar o decreto, eles aprovaram uma lei que deveria ser uma lei diferente. Absurd

O administrador disse que a legislação atual prevê um grande número de recomendações que devem conter um grande número de membros, e que deve lidar com isso "lentamente". ". “Eles empataram [a lei] e receberam muitos conselhos. Eles têm ministérios que incluem 200 pessoas, o que equivale a um terço do parlamento. Não há como resolver isso. É muito difícil, você precisa lutar devagar ”, disse ele.

Respondendo a uma pergunta sobre as manifestações de hoje em favor de Sergio Moro (Ministro da Justiça), Bolsonaro reafirmou que as pessoas têm o direito de expressar suas opiniões e que a união entre o poder fortalecerá o Brasil. “Esse é o direito das pessoas se expressarem. Eu sempre digo. A união dos três poderes deve ser parte de nós. Está no coração, em nossos sentimentos. Uma coisa que pode levar o Brasil ao lugar que merece ", afirmou.

Folhapress

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.