As bitucas de cigarro levam a mais lixo nas praias brasileiras, segundo um estudo não publicado

0

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

Um estudo inédito constatou que banhistas que visitam as praias a uma distância de 8 km compartilham o espaço com mais de 200.000 bitucas de cigarro, 15.000 selos, chapéus e anéis. Estanho, 150.000 fragmentos de vários plásticos, 7.000 palitos de sorvete e grelhados e 19.000 palitos de plástico para pirulitos e cotonetes.

Os dados são o resultado da segunda fase do projeto Água de Lixo Fora, que visa combater as fontes de poluição marinha por resíduos sólidos, coordenada pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) e uma Acordo de cooperação com a ISWA (Associação Internacional de Resíduos Sólidos) com o apoio da Agência Sueca de Proteção Ambiental. [19659003] O projeto existe desde 2018 e, durante esse período, determinou que as três principais fontes de vazamento de lixo e resíduos no mar são as comunidades nas áreas de estaca, os canais de drenagem os atravessam em suas faixas de areia através da estrutura urbana e na extremidade da praia.

Segundo o estudo, os materiais plásticos estão entre os mais comuns e abundantes nas praias e de muitas maneiras diferentes, como tubos de plástico, barras de plástico e poliestireno (52,5%); a bituca de cigarro responsável por 40,4% do lixo coletado; e borracha, metal, madeira, embalagens e outros (7,11%).

“Os resultados deste projeto sem precedentes são fundamentais para abordar o problema do lixo no mar. Com o plano de ação, as cidades podem não apenas limpar praias e remover lixo do mar, mas também desenvolver boas práticas para impedir que o lixo continue contaminando o estuário e as margens da praia ”, disse Carlos Silva Filho, CEO da Abrelpe

Operação Areia Limpa

Com base nos números disponíveis, a Abrelpe decidiu estabelecer a Operação Areia Limpa, que começa em 25 de janeiro e dura um mês. Na praia de Santos, no litoral de São Paulo, são selecionadas duas tendas, que serão equipadas com móveis e acessórios novos, como uma mesa lateral com uma lata de lixo. Copos e copos reutilizáveis; palhas compostáveis ​​que são separadas e usadas para compostagem no final do projeto; taças de bambu "individuais"; e carrinho de coleta (100 litros) para limpeza frequente durante o dia. Também haverá sinalização e um "menu" com informações sobre descarte e operação. A implementação foi idealizada por soluções de prototipagem economicamente, técnica e operacionalmente viáveis ​​para mudar o comportamento, de modo que o maior objetivo de reduzir a quantidade de resíduos no mar possa ser alcançado ”, afirmou Filho.

Indicadores Estudos internacionais mostram que cerca de 80% do lixo marinho provém do ambiente terrestre. No Brasil, mais de 2 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos chegam a rios e mares todos os anos, o que é suficiente para 7.000 campos de futebol.

O projeto Lixo Fora D 'Água está sendo realizado simultaneamente em seis outras cidades costeiras: Balneário Camboriú (SC), Bertioga (SP), Fortaleza (CE), Ipojuca (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Luís (MA). Diagnósticos individuais também são feitos para essas cidades. As medidas para prevenir, limpar e monitorar o lixo no mar são desenvolvidas e implementadas com base no conhecimento originalmente desenvolvido em Santos. Agência Brasil

Agência Brasil

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.