Agora RN »Governo cria grupo de trabalho para retomar a produção de sisal no RN

0


O Governo do Estado estabeleceu um grupo de trabalho para elaborar um plano para retomar a produção de sisal em larga escala no Rio Grande do Norte. O grupo deve reunir diversos atores, nos níveis estadual, federal e municipal, com o objetivo de devolver a fibra à rede econômica potiguar.

A formação do grupo foi assinada durante uma reunião realizada no Governorship na tarde de quinta-feira, 4. A idéia foi baseada na articulação entre os atores do governo – a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sape), o RN ( Emparn) e do Instituto Emater-RN de Assistência Técnica e Extensão Rural – e da empresa Sisaltec, instalada no Distrito Industrial de Extremoz com uma indústria de processamento e exportação de fibras de sisal.

A governadora Fátima Bezerra conduziu a reunião e destacou a importância da articulação entre o Estado e o setor produtivo para o sucesso do plano. "O projeto deve deixar o grupo de trabalho totalmente estruturado, com um arranjo produtivo concatenado que leva empregos para o interior de nosso estado. Por parte do governo, a prioridade é criar o ambiente de trabalho e negócios mais favorável possível." [19659004] Reunião foi realizada no Governorship. (Foto: Demis Roussos)

A região próxima ao município de Touros, no Norte Potiguar Litoral, já possui a maior área contínua com produção de sisal no Brasil. No entanto, a queda no mercado de fibras orgânicas encerrou a produção em diversas áreas do estado. Atualmente, a produção está praticamente restrita à região de Mato Grande, que esteve presente no encontro com representantes dos trabalhadores rurais, vereadores e representantes do Município de João Câmara.

A Sisaltec adquire hoje toda a produção do RN e trabalha com apenas 20% de sua capacidade produtiva. Portanto, a decisão do governo de investir na retomada do sisal foi bem recebida pelo empresário Harry Polman, um dos sócios da Sisaltec. Para o empresário, o momento é ideal tanto no mercado nacional quanto no internacional. "A produção caiu porque o fio sintético ganhou mercado. No entanto, a situação mudou com o foco na questão ecológica. E o sisal é um material totalmente sustentável, desde a sua produção, sem causar problemas para o meio ambiente. É muito importante ter tudo esses atores envolvidos no plano, como nunca aconteceu antes ", disse Polman.

A expectativa inicial da reunião é que o plano de recuperação da produção rural atinja entre 3 e 5 mil hectares de plantio, somente para a capacidade atual do Sisaltec de se beneficiar. "Vamos envolver também os municípios na construção desse plano. Espero que daqui a 30 a 40 dias possamos concluir os estudos e montar o modelo de produção com um acordo de cooperação. Será um grande esforço para revitalizar uma cadeia produtiva que está parado ", explicou o secretário Guilherme Saldanha, chefe da Sape.

O rearranjo da produção de sisal também incluirá entidades como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Banco do Nordeste, que participaram do encontro realizado pelo governo. A Embrapa, em parceria com o governo, participará de treinamentos para trabalhadores rurais, apresentando novas técnicas de produção, como as já desenvolvidas em conjunto com a Emparn. Enquanto o Banco do Nordeste, que vem realizando estudos no setor, apresentará linhas de crédito aos agricultores. A primeira reunião do grupo de trabalho, que contará ainda com a participação de entidades como o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do RN (Sebrae-RN) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), acontecerá até a fim deste mês .

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.