Agora RN »Brasil e Alemanha se reúnem pela segunda vez no Nordeste

0


Abertura na segunda-feira, 16, no segundo dia do 37º Encontro Econômico Brasil-Alemanha (EEBA), no Centro de Convenções de Natal, presidente da Federação das Indústrias Alemãs – BDI – Dieter Kempf, semelhante presidente alemão da A CNI brasileira, Robson Andrade, não precisou dizer muito para chocar lascas na atual política protecionista dos EUA, o que, em sua opinião, desestabiliza o mundo.

Mais adiante, outra mensagem
que poderia ser mais interpretado para os brasileiros, Kempf falou sobre o
importância de preservar a Amazônia e deu conselhos que cairiam como
luva para líderes que falam demais. "É melhor falarmos sobre nós mesmos,
debater a nós mesmos, o que falar dos outros ", aconselhou.

Ele não se incomodou com a tradução simultânea do evento.
frases que se explicavam automaticamente e sugeriam várias reflexões, ele
contribuiu para aprimorar uma reunião que, em seus 37 anos de existência, apenas
aconteceu duas vezes no Nordeste: em 2005, em Fortaleza, e agora, 14 anos
mais tarde em Natal.

Kempf disse, por exemplo, que "parcerias" são sempre um
“Pré-condição”, isto é, eles vêm antes da conclusão dos negócios; isso tudo
países, incluindo o Brasil, precisam de grandes indústrias e que dentro desse
Nesse contexto, "inovação" e "pesquisa" são fundamentais.

Ele disse que "respiração de longo prazo" e "organização" são realmente
vital chegar onde você quer e repetir o que você já sabe, mas é sempre bom
ouça: “O Brasil é o principal parceiro da Alemanha na América do Sul”, que é
sempre importante quando se fala da economia mais importante da Europa,
continente que o Mercosul deseja alcançar.

Com 1.600 empresas no Brasil e um portfólio de investimentos
US $ 20 bilhões, pode-se dizer que as inovações tecnológicas iniciadas por
na virada do milênio no país, tem o papel de liderança das empresas alemãs.

O presidente do BDI defendeu a manutenção dos acordos climáticos
e lamentou o tom ácido adotado pelo Presidente dos Estados Unidos
Estados Unidos, Donald Trump, ele disse, ao contrário das necessidades de desenvolvimento

Finalmente, Kempf apelou à rápida entrada em vigor do
União Européia, como um passo importante em “tempos de isolacionismo”,
outra farpa no governo dos EUA, disse a poucos metros do possível
O embaixador do Brasil na América, Eduardo Bolsonaro.

Além disso, Kumpf defendeu o
Negociações sobre um acordo para evitar a dupla tributação, como a
Brasil. É um tema concorrente das reuniões econômicas entre Brasil e
Alemanha

A conclusão de um acordo para evitar a dupla tributação entre
dois países é uma prioridade para aumentar a segurança jurídica e a competitividade

Uma pesquisa realizada pela CNI há dois anos mostrou que 64% das 25 maiores multinacionais brasileiras são afetadas pela falta de acordos de dupla tributação. Para Kempf, quanto mais cedo for alcançado um acordo, melhor será para as duas economias.

Os frutos começaram, diz Fátima

Governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra

A governadora Fátima Bezerra antecipou alguns interesses
Acordos bilaterais do nordeste com países como a Alemanha:
fechar e expandir negócios e expandir a conectividade à Internet da região
mais rápido, o que é uma condição prévia para esse desenvolvimento.

O governador ficou visivelmente satisfeito com a presença de
empresários para a reunião Brasil-Alemanha, quase mil nos dois países.
E confirmou que “existem empresas interessadas em investir e aquelas que já investem
interessado em expandir na área de energia e outros segmentos. ”

O governador da Bahia, Rui Costa, coordenador do
Governadores do Nordeste, que se reuniram nesta segunda-feira, em
Natal disse que parcerias bilaterais como a Alemanha são o caminho mais curto para
integração econômica e geração de emprego e renda, a prioridade do momento.

Em relação ao Consórcio Nordeste, o governador disse que o foco é dimensionar a economia do Nordeste e atender às preocupações da sociedade. Ele lembrou que a primeira oferta conjunta de assistência médica já lançada visa reduzir os custos de medicamentos para os estados.

Mourão recebeu em grande estilo

Hamilton Mourão representou a presidência da República

O Presidente da República
O general Hamilton Mourão, como esperado, desembarcou
segurança redobrada em Natal, mas com tempo para se reunir
Governadora Fátima Bezerra.

Mais tarde, no
Convenções, ela disse que a reunião foi marcada por muita harmonia e cortesia,
incluindo promessas de ajudar o Rio Grande do Norte.

“Foi uma grande reunião,
mostrar nosso plano para reduzir a violência, para avançar na descontaminação
do Plano Nacional de Segurança Pública. Foi uma reunião muito respeitosa e a
Geral elogiou as realizações do estado de reduzir as taxas acima da média
Fátima.

Em seu discurso na abertura do
37º Encontro Econômico Brasil na Alemanha, Mourão disse que o mundo “está passando por uma
intensa fase de transformação ”, na qual governo, empresas e sociedade
“Precisa estar em constante interação e coordenação para navegar com
segurança por esses mares revoltos do século XXI. ”

Segundo ele, ao mesmo tempo
que o país expandiu seu acesso a bens, serviços e comunicação ", também agravou a
volatilidade, intensificou a concorrência e aumentou suas vulnerabilidades. "

Ele disse que as sociedades", mesmo
esses países mais desenvolvidos estão constantemente em alerta "
e o Brasil "está passando por uma grave crise econômica".

Ele lembrou que o presidente
Bolsonaro e ele foram eleitos por um movimento popular que culminou em uma onda
indignação e um vigoroso movimento de resgate do país.

Ele disse que a economia
"Não sintonizado com seu tempo e instituições públicas
estão longe de atender aos desejos e necessidades da população. ”

Ele lembrou que o Brasil ainda
precisa mudar para alcançar seu espaço no ambiente global mais complexo e competitivo
e precisa se reconectar à economia mundial. “Na América do Sul, nosso contexto
também apresenta vulnerabilidades na transformação do produto
avanços primários e tecnológicos. ”

Para Hamilton Mourão, há pelo menos
pelo menos dois problemas sérios a serem superados: problemas estruturais como
serviços públicos deficientes e baixa produtividade. E ele disse que a reforma da
O bem-estar é necessário para "honrar um pacto de gerações".

Ele previu que aprovar as leis
necessário no Congresso terá que enfrentar obstáculos naturais decorrentes de
alta fragmentação partidária, mas explicou que isso faz parte da democracia.
"É preciso determinação e paciência", ele aconselhou.

Ele lembrou que a Alemanha é a
grande economia européia, a quarta maior economia do mundo, com 1.600 empresas em
Brasil e um estoque de investimento de US $ 20 bilhões no Brasil.

"Maior investidor no setor industrial, com crescente participação nos setores de infraestrutura, logística, petróleo e gás e tradicional defensor da integração européia, multilateralismo e acordo entre o Mercosul e a União Européia", completou Mourão.

Encontro Econômico Brasil – Alemanha 2019

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.