A polícia civil concluiu uma investigação sobre o caso do primeiro-ministro de que uma criança foi mantida refém durante o grande período de Natal e apontou seus sete crimes

0


Foto: ilustrativa

A delegacia de Macaba concluiu uma investigação policial que investigou os crimes cometidos pelo policial militar de 34 anos Hermano Simplicio Mangabeiira de Araujo (5) quando deixou seu próprio filho. 6 anos como refém. Na sexta-feira, ele foi preso pela polícia civil na Delegacia Municipal de Makai (6). Uma investigação dos fatos e evidências reunidos provou que o acusado é suspeito de cometer crimes ameaçadores, e ele foi cometido duas vezes: contra o ex-parceiro e contra seu próprio filho; seqüestro qualificado por infligir sofrimento mental grave a uma criança; recepção de armas de fogo; resistência, posse ilegal de armas de fogo e disparos de armas de fogo em locais públicos; condução perigosa e não conformidade com medidas de proteção. Todos os crimes foram cometidos de acordo com a lei de Maria da Peña.

Crimes ocorreram após policiais abordarem um suspeito no município de Makaiba devido a um crime que envolvia o não cumprimento das medidas urgentes de proteção existentes (MPU). a favor de seu ex-parceiro, bem como um crime ameaçador contra ela. A vítima procurou inicialmente uma delegacia de polícia em Makaiba para relatar a dedução do seu celular atribuído a um suspeito que é um policial militar. Depois que ele se recusou a devolver o item, a vítima parou de processar o procedimento. No entanto, Germano Simplicio ameaçou matar seu ex-assistente, então a polícia civil imediatamente fez o possível para prendê-lo.

Naquela época, o suspeito resistiu à prisão e escapou enquanto dirigia um carro. quem era seu filho de 6 anos. Durante a fuga, Germano Simplicio até apontou armas de fogo para a polícia e seu próprio filho. Como resultado, o carro foi detido perto da Praça José da Peña, em Makaiba, quando as negociações começaram, acompanhadas pela polícia civil e militar, o que levou à rendição do agressor. A criança foi transferida para a mãe e o policial foi levado ao hospital da polícia militar.

Na sexta-feira (6), o suspeito foi preso por cometer uma ameaça de crime contra seu ex-parceiro e uma criança, seqüestro qualificado, armas de fogo, resistência, posse ilegal de armas de fogo, armas de fogo em locais públicos, condução de veículo perigoso e não cumprimento urgente. medidas de proteção. Hermano Simplicio foi preso anteriormente por não cumprir as medidas de proteção existentes em favor da vítima.

Na segunda-feira (16), Hermano Simplicio foi preso em flagrante em prisão preventiva e está atualmente sob custódia na Secretaria. disponível para o judiciário. A polícia civil explica que a discussão sobre a sanidade do acusado será conduzida no contexto de processos criminais, com ampla proteção e inconsistência, o que torna impossível analisá-lo na fase de investigação, caso ainda não seja anunciado pelo judiciário. 19659003] Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil / RN – SECOMS

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.